quarta-feira, 19 de agosto de 2015

A permanência de características do urbanismo português na formação das cidades brasileiras durante o periodo imperial: o caso da cidade de Petrópolis – RJ

Local: Brasil

Resumo do Artigo:


O presente artigo trata de uma revisão bibliográfica sobre planos urbanísticos de origem portuguesa e sua influência na formação das cidades brasileiras no período imperial. São analisadas obras de autores que se dedicaram sobre o tema dentre os quais podemos citar: Roberta Delson, Nestor Goulart Reis Filho, Walter Rossa, Beatriz Bueno e José Eduardo Horta Correia. Em uma segunda etapa é elaborada uma análise das plantas e posturas desenvolvidas pelo Major Koeler, engenheiro militar alemão que chegou ao Brasil em 1828 para integrar o Corpo de Estrangeiro, sendo incorporado no Corpo de Engenharia do Exército Imperial. Tornou-se entusiasta da colonização alemã no país, sendo autor do projeto urbano da cidade de Petrópolis. O Major Júlio Frederico Koeler concebeu o plano urbano dessa cidade em 1846, em um sítio localizado no “caminho novo", estrada aberta para transportar o ouro proveniente de Minas Gerais para o Rio de Janeiro. Neste local, D. Pedro I (1822-1831) tencionava construir um palácio para se afastar do Rio de Janeiro, nos meses mais quentes do ano, projeto que não se consolidou. Entretanto, a cidade efetivamente só se desenvolveu com D. Pedro II (1840-1889), a partir do plano de Koeler. Assim, durante mais de quarenta anos, na estadia de verão do imperador na cidade, esta se tornava capital do Império. Por fim, é desenvolvido um estudo comparativo entre planos urbanísticos portugueses e as plantas da cidade e posturas elaboradas pelo Major Koeler.